terça-feira, 29 de novembro de 2016

COR(AÇÃO)


Partilho os meus dias com um daltónico: “Rita! Venha cá. Que cor é esta?”. O meu colega chama por mim várias vezes para que o ajude na escolha das cores dos gráficos, do layout de uma apresentação ou na escolha de um casaco a condizer com outra peça da qual também não distingue a cor.
Nunca tinha privado com um daltónico e devo dizer que é muito difícil por-nos nos sapatos da outra pessoa, e tentar perceber como vêem o mundo. As cores assumem um papel prático na nossa vida e estamos tão habituados a olhar para elas de forma categórica que não conseguimos imaginar como seria se as trocássemos umas com as outras. Mas... e se as trocássemos umas com as outras no caderno?

O desafio do último fim de semana não era novo. E por isso mesmo, estava tão empolgada. Tinha conhecido a Celia Burgos, em Torres Vedras, num fim-de-semana de alerta amarelo: dois dias de vento e chuva intensa que acalmou na tarde em que a esta sketcher de Sevilha veio partilhar connosco como usava a cor nos seus desenhos.
Nunca me permito maldizer o estado do tempo. Herança de outras andanças em que se acendiam fogueiras à chuva, o chapéu-de-chuva era proibido, um impermeável e umas botas Elite - desculpem a publicidade mas quando eu era Guia não havia milhares de opções a preços razoáveis capazes de salvar uns pés depois de 30km - eram o material necessário e suficiente. Outra razão é viver muito de perto as privações de água dos agricultores do sul do país e achar um egoísmo as queixinhas dos mais urbanos acerca da chuva.
Este fim de semana foi a excepção. Alienei a app da meteorologia, não queria acreditar no que os meus olhos viam: chuva no sábado de manhã. E eu queria ir lá para fora desenhar. Não podia ser. Bom, fui na mesma: cores quentes - amarelo, laranja e vermelho -  e cores frias – violeta, azul, ciano e lilás – para colorir as emoções. As cores reais não tinham importância nenhuma. Árvores verdes, paredes cinzentas, edificios azuis, dependia...

Que me perdoem as células da retina responsáveis pelo reconhecimento das cores(cones)mas desta vez a orgão responsável por essa função foi mesmo o coração <3