terça-feira, 19 de julho de 2016

Girl Power


Quem passeia pela Nazaré não pode ficar indiferente à presença das suas mulheres. Podemos vê-las trajadas na venda de artesanato, frutos secos, peixe seco ou com umas tabuletas coloridas a propor alojamento local.

É impossível não perceber o poder do sexo feminino naquela terra. No passado, esse poder era ainda mais marcado. Antes da modernização dos portos, a mulher nazarena era a gestora financeira, comercial e logística da comunidade. As suas actividades, paralelas à pesca, permitiam mitigar o risco da incerteza de uma vida dependente do mar. Todo o circuito de comercialização estava entregue as estas “managers”.

No último fim de semana, ao passear pela marginal - nome dado ao passeio junto à praia – dei por mim a pensar na riqueza etnográfica desta sociedade. Existem teses, artigos, reflexões espantosas sobre estas mulheres. Se quiserem saber mais, recomendo o seguinte artigo O Papel das Mulheres da Nazaré na Economia Haliêutica.

E há mais! Embora não tenha encontrado qualquer referência ao facto, a mim ninguém me tira da ideia que o mixed print nasceu na Nazaré.

4 comentários:

  1. Adoro aprender coisas novas. Sendo através dos rabiscos melhor ainda :D

    ResponderEliminar
  2. Gosto destas tyas histórias por detrás do desenho. Vou agora ler o link 😊

    ResponderEliminar
  3. Adoro os pés da Nazarena! E gosto tanto de carapaus secos...

    ResponderEliminar
  4. Acho que a mulher nazarena ainda domina o mercado dos quartos alugados e muitos dos negócios locais, pelo menos em algumas tasquinhas e restaurantes. Fiquei surpreendido como algumas andam à pesca de clientes, assim que topam uma fila de espera, ha sempre umas mesas vazias no negocio do cunhado, primo ou enteado, parece que é tudo família de espírito meio cigano, onde desenrascam sempre alguém.

    ResponderEliminar