sábado, 21 de maio de 2016

Running for the Unknown


Esta semana voltei aos meus treinos. Não posso dizer que desconhecia as consequências de fazer infinitas pranchas, agachamentos, saltos a pés juntos e tantos outros exercícios que só resultam se eu não comer chocolates. Voltei ao sitío onde comecei: as imediações da Fundação Champalimaud. A primeira vez que me entreguei aos treinos demoníacos da L ainda não desenhava. Nem queiram saber a diferença. Por cada sprint pensava: tenho de vir desenhar para aqui.

E como não tem graça nehuma ser feliz sozinha, convoquei alguém muito talentoso para desenhar comigo. Lá fomos nós, cheias da luz daqueles fins de tarde que só o Tejo nos devolve.

Quando prestamos atenção descobrimos que afinal aquele sítio, para onde já olhámos tantas vezes, nos é totalmente desconhecido (incluído o facto de eu não aprender a montar carimbos).

 

1 comentário: